Eredivisie 2022/23, os relatos da 5ª rodada

Fortuna Sittard 3×4 Utrecht (sexta-feira, 2 de setembro)

Rodrigo Guth (67′), Burak Yilmaz (82′), Noslin (90′ + 7) – Dost (64′), Douvikas (71′, 77′, 86′)

O primeiro tempo de poucas emoções e nenhum gol em Sittard nem de longe dava razões para acreditar no que se viu nos 45 minutos finais: muita movimentação, para o bem e para o mal. A começar por uma interrupção fugaz do jogo, pelo juiz Allard Lindhout, em razão de sinalizadores atirados ao gramado por alguns torcedores do Utrecht. Depois, veio o empate rápido: Bas Dost aproveitou passe de Jens Toornstra em profundidade para abrir o placar, o teuto-brasileiro Rodrigo Guth cabeceou para o empate logo depois. A partir daí, os fatos se sucederam com velocidade. Anastasios Douvikas entrou, e aproveitou pênalti (controverso…) marcado pelo juiz para fazer 2 a 1; a torcida do Fortuna Sittard protestou jogando copos de plástico no gramado (e causando mais uma interrupção, esta mais longa); Douvikas fez 3 a 1 e pareceu definir o jogo; Burak Yilmaz devolveu alguma esperança ao Fortuna, diminuindo também de pênalti; a esperança se acabou, com Douvikas fazendo seu terceiro gol na partida – o quarto do Utrecht -, em bonito chute; e Tijjani Noslin, pelo menos, diminuiu para os donos da casa nos acréscimos. Ufa!

Ajax 4×0 Cambuur (sábado, 3 de setembro)

Bergwijn (35′, 40′), Rensch (53′), Kudus (64′)

Até demorou para o Ajax achar um espaço, na fechada defesa que o Cambuur mostrou durante a maior parte do primeiro tempo. Aliás, os visitantes de Leeuwarden até mesmo assustaram os donos da casa em Amsterdã, num chute de Michael Breij, após rápido contra-ataque. Só nos últimos minutos, o espaço apareceu. Em cinco minutos, Steven Bergwijn aproveitou: completou cruzamento de Steven Berghuis na pequena área para fazer 1 a 0, e marcou o segundo gol em grande estilo (chute de fora da área, no canto esquerdo do goleiro, sem a menor chance de defesa).  Com seis gols em cinco rodadas, Bergwijn abria definitivamente o caminho para o Ajax se tranquilizar. E o segundo tempo teve o domínio habitual do time de Amsterdã: Kenneth Taylor entrou muito bem no jogo, e de um chute seu, a bola foi desviada por Devyne Rensch para o 3 a 0. Pouco depois, uma triangulação após troca de passes foi completada por Mohammed Kudus – outro vindo do banco – para o 4 a 0 do, agora, líder isolado do campeonato. Após as rumorosas negociações de última hora (Antony à frente), tranquilidade em Amsterdã rumo à estreia na Liga dos Campeões.

Twente 2×1 PSV (sábado, 3 de setembro)

Cerny (17′, 24′) – Til (55′)

O PSV chegou embalado por duas goleadas seguidas ao jogo em Enschede. Mas logo o Twente mostrou que a realidade seria diferente para o time de Eindhoven: com velocidade e organização, começou criando muito mais chances ofensivas. A primeira mais perigosa, um chute de Daan Rots, espalmado com dificuldades pelo goleiro Walter Benítez. Pouco depois, chegou a hora de Vaclav Cerny brilhar. No primeiro gol, ele consertou um furo após cruzamento de Gijs Smal com chute cruzado para o 1 a 0; no segundo, foi ainda melhor – após bola alta mal afastada por Ibrahim Sangaré, Cerny marcou com um voleio daqueles de estufar as redes. Sem conseguir ganhar as disputas no meio-campo, o PSV só recuperou alguma força após o intervalo. E se reanimou definitivamente quando Guus Til dominou bola de Xavi Simons para diminuir a vantagem dos Tukkers. Os donos da casa até reagiram no decorrer da etapa final, mas a maior chance de gol foi para o empate: aos 88′, André Ramalho cabeceou a bola no travessão. Contudo, o Twente se segurou, garantindo a primeira vitória em casa sobre o PSV desde 2013 – e provando que tem estofo para ser uma ótima surpresa na liga.

Sparta Rotterdam 4×0 Volendam (sábado, 3 de setembro)

Van Crooij (14′), Lauritsen (68′, 72′), Mijnans (85′)

A partida poderia ter sido muito equilibrada: tanto Sparta quanto Volendam tiveram chances consideráveis de marcar o primeiro gol. Aí, um goleiro fez a diferença: Nick Olij, dos Spartanen. Na tarefa principal dele (defender), Olij evitou gols de Robert Mühren e Henk Veerman. No adicional, ele cobrou um tiro de meta, e a cobrança virou um lançamento para que Vito van Crooij fizesse 1 a 0 no Volendam. Porém, o time visitante seguiu forte em busca do empate, quase o conseguindo, novamente com Mühren (chute que passou perto, após desvio) e Mühren (finalização bloqueada por Mica Pinto). Só no segundo tempo é que o Sparta Rotterdam deslanchou em busca da goleada. Com Tobias Lauritsen como personagem principal: o dinamarquês cabeceou cruzamento de Mica Pinto para o 2 a 0, e completou cruzamento de Koki Saito para o terceiro, quatro minutos depois. Saito, estreante no Sparta, também teve seu destaque: foi dele, novamente, o passe para Mijnans chutar e transformar a vitória em goleada.

Go Ahead Eagles 3×4 Feyenoord (sábado, 3 de setembro)

Linthorst (3′), Lidberg (13′), Edvardsen (90′ + 6) – Danilo (24′, 42′), Dilrosun (57′), Szymanski (79′)

Parecia que o estádio De Adelaarshorst, habitual alçapão que tão útil foi ao Go Ahead Eagles na temporada passada, seria fundamental em mais uma surpresa. Porque os primeiros minutos do Go Ahead Eagles foram intensos, rendendo rapidamente o 2 a 0: Evert Linthorst teve sorte ao abrir o placar (seu chute desviou em Dávid Hancko, desta vez na zaga, e a bola foi para o ângulo), e Isac Lidberg marcou o segundo de cabeça. Todavia, o Feyenoord se recompôs ainda no primeiro tempo, contando com a precisão da dupla Patrik Walemark-Danilo. No primeiro gol do Stadionclub, o sueco cruzou da direita, e o brasileiro finalizou de voleio; no segundo, Walemark mandou a bola da esquerda, e Danilo cabeceou, fazendo a bola encobrir o goleiro Jeffrey de Lange. Na etapa final, o Feyenoord partiu para cima de vez. E nela, o destaque foi Sebastian Szymanski. O polonês deu o passe com que Javairô Dilrosun virou para 3 a 2, e marcou, já na reta final do jogo, o gol mais bonito da rodada: chute de longe, mandando a bola no ângulo de De Lange. Nos acréscimos, Oliver Edvardsen até diminuiu para o Go Ahead Eagles. Apenas uma nota de rodapé, na vitória que manteve o Feyenoord, ainda invicto, junto aos ponteiros.

RKC Waalwijk 5×2 Excelsior (domingo, 4 de setembro)

Baas (15′),  El Yaakoubi (43′) – Adewoye (38′), Clement (51′), Lutonda (60′), Anita (80′), Kramer (90′ + 1)

Os dois times precisaram ter cabeça dentro do jogo. O Excelsior, primeiro metaforicamente (perdeu Marouan Azarkan, lesionado), depois literalmente (Julian Baas fez 1 a 0 testando a bola para a rede). O RKC Waalwijk mostrou o valor do seu “coco”, com o zagueiro Shawn Adewoye empatando de cabeça – mas adivinhe como outro zagueiro, Redouan El Yaakoubi, recolocou o Excelsior na frente? Foi preciso o RKC ter muita “cabeça” para reagir. E como teve: Pelle Clement testou para o 2 a 2, logo no começo do segundo tempo. E coube a Thierry Lutonda dar o toque diferenciado para a virada: o lateral esquerdo chutou com força para o 3 a 2. Depois, na reta final, a goleada: com cabeceios, Vurnon Anita e Michiel Kramer garantiram a vitória larga. Deu RKC – na cabeça!

Heerenveen 0x0 NEC (domingo, 4 de setembro)

A grande curiosidade do jogo em Heerenveen estava nos dois goleiros: Jasper Cillessen no NEC, Andries Noppert no time da casa, ambos presentes na pré-convocação da Holanda para os jogos contra Polônia e Bélgica, pela Liga das Nações. Contudo, a rigor, nenhum deles precisou trabalhar muito no primeiro tempo: duas tentativas no primeiro tempo, de Amin Sarr e Sydney van Hooijdonk, mais um gol anulado (Mats Köhlert marcou, mas estava impedido), e foi só. No segundo tempo, sim, as emoções foram maiores. Principalmente do lado do NEC, tentando com Elayis Tavsan – Noppert espalmou bola no ângulo. Tavsan, aliás, sofreu falta dura de Tibor Halilovic, que foi expulso. E os visitantes terminaram mais perto do gol, com Landry Dimata – em sua primeira partida como titular – tendo uma boa chance. Mas ficou no placar o 0 a 0. Nada mal para dois goleiros badalados…

Emmen 0x3 AZ (domingo, 4 de setembro)

Odgaard (21′), De Wit (27′), Reijnders (34′)

O AZ sofreria contra o Emmen, no ataque, sem seu destaque no setor – Vangelis Pavlidis, lesionado? Bastaram 34 minutos de jogo para se saber que não. Um chute colocado de Jens Odgaard, 1 a 0. Seis minutos depois, Odgaard voltou a bater, e o goleiro Eric Oelschlägel deu rebote, aproveitado por Dani de Wit. Mais sete minutos, Hakon Evjen ajeitou, e Tijjani Reijnders finalizou para o terceiro gol. O mais foi somente o time de Alkmaar administrando a vantagem construída com rapidez e competência.

Groningen 0x1 Vitesse (domingo, 4 de setembro)

Bero (77′)

O Groningen vinha em situação bem mais estável do que o Vitesse, ainda à procura da primeira vitória no campeonato. Para tentar chegar a ela, o time de Arnhem teve muitos estreantes: o jovem Daan Reiziger no gol, Gabriel Vidovic no meio-campo, Bartosz Bialek no ataque. E conseguiu ter rendimento melhor, mesmo fora de casa. As chances podem ter sido poucas, é verdade: Vidovic chegou a fazer gol logo aos 12′, mas estava impedido, e o VAR flagrou. Todavia, se o Vites chegava pouco ao gol, os Groningers chegavam menos ainda, mesmo jogando em casa. E de tanto insistir – bem, se não tanto, mais do que os anfitriões -, o gol da vitória saiu, na reta final, quando Matus Bero recebeu a bola e chutou em diagonal, na entrada da área. Diante da pressão que já sofria, entrando em campo como coadjuvante, o Vitesse teve motivos para celebrar o primeiro triunfo na Eredivisie.

 

SHARE