Serie A: campeões italianos rebaixados, milagre da Salernitana e Milan quebrando jejum

Após 38 longas rodadas, a imprevisível e extremamente disputada temporada 2021/22 da Serie A do Campeonato Italiano chegou ao fim. Entre os principais acontecimentos do torneio estão a quebra do jejum do Milan, a péssima campanha da Juventus, a volta da Fiorentina aos torneios continentais e a milagrosa salvação da Salernitana.

O Milan, que foi o campeão do torneio, a Inter de Milão, o Napoli e a Juventus estão garantidos na próxima edição da Liga dos Campeões. Na capital italiana, Lazio e Roma representarão o país na Liga Europa, enquanto a Fiorentina conquistou um espaço na Conference League.

Do outro lado da tabela, a Salernitana conseguiu operar um verdadeiro milagre ao evitar o rebaixamento na última rodada. Já Cagliari, Genoa e Venezia disputarão a Serie B na próxima temporada europeia.

Os quatro primeiros

Os dois gigantes da cidade de Milão, na região da Lombardia, estiveram no centro das atenções no decorrer do campeonato e lutaram até o fim pelo Scudetto, mas foi o Milan quem conseguiu levantar o caneco e quebrar um jejum que já durava 11 longos anos.

Rafael Leão, Theo Hernández, Sandro Tonali, Zlatan Ibrahimovic, Mike Maignan e companhia, todos comandados por Stefano Pioli, se tornaram a equipe mais jovem a vencer um Scudetto desde que a Serie A entrou na era dos três pontos (1994/95) por vitória, com uma média de idade de 26 anos e 97 dias.

Em todas as campanhas desde a temporada 1994/95, o Milan somou a segunda maior quantidade de pontos em uma mesma edição, com 86. O atual plantel rossonero só ficou atrás da equipe de 2005/06, que faturou 88 pontos, mas perdeu 30 em virtude do escândalo “Calciopoli”.

A Internazionale não conseguiu o bicampeonato, mas conquistou a Copa da Itália e Supercopa Italiana. O trabalho de Simone Inzaghi foi bastante positivo, tanto que se tornou o terceiro técnico do clube a conseguir obter pelo menos 25 vitórias na liga na temporada de estreia. Antes dele, somente Aldo Olivieri (1950/51) e José Mourinho (2008/09) foram capazes de realizar esse feito.

O Napoli lutou por longas rodadas pelo título, tanto que ficou na liderança da liga em boa parte do primeiro turno, mas acabou perdendo fôlego no meio do caminho. A boa campanha na atual temporada pode ajudar a desenvolver as bases necessárias para tentar faturar o sonhado Scudetto no próximo campeonato.

Um dos pontos positivos da equipe comandada por Luciano Spalletti foi o setor defensivo, pois foi ao lado do Milan o clube que tomou menos gols ao longo da Serie A, com 31 tentos. A única vez que fechou uma edição do torneio com a defesa menos vazada foi na temporada 1970/71, quando levou somente 30 gols.

Por fim, a Juventus fez uma campanha extremamente irregular e fechou sua participação em quarto lugar, com 70 pontos, bem distante do campeão Milan. Para piorar, a equipe não venceu nenhuma das últimas três partidas da Serie A e também não levantou nenhum caneco.

Essa foi a pior campanha da Velha Senhora desde 2010/11, quando faturou 58 pontos sob o comando de Luigi Delneri. Os bianconeri pretendem organizar uma enorme reformulação no plantel para voltar a vencer a Serie A, tanto que Giorgio Chiellini, Paulo Dybala e Federico Bernardeschi não estarão em Turim na próxima temporada.

Liga Europa e Conference League

Se os dois clubes de Milão lutaram pelo título, a dupla da capital italiana conseguiu uma vaga na próxima edição da Europa League. A Lazio teve uma leve vantagem, pois fechou o campeonato com 64 pontos, um na frente da Roma.

Os comandados de Maurizio Sarri tiveram altos e baixos ao longo do torneio, tanto que essas irregularidades comprometeram a classificação para a Champions League. Um dos grandes responsáveis por ter deixado a Lazio entre os cinco primeiros foi Ciro Immobile, que balançou as redes 27 vezes e foi o melhor marcador da Serie A pela quarta vez na carreira.

A Roma, por sua vez, também não desempenhou uma temporada completamente regular, pois sofreu com alguns tropeços ao longo do campeonato. No entanto, José Mourinho conseguiu carregar os giallorossi até a Europa League e ainda luta pelo título da Conference League.

Um dos grandes destaques da Roma foi o atacante Tammy Abraham, que balançou as redes 17 vezes, um recorde na competição entre os jogadores ingleses que já passaram pelo calcio. Além disso, o único atleta que está na frente do ex-Chelsea em gols anotados na temporada de estreia pela Roma é Rodolfo Volk, que fez 21 na temporada 1929/30.

Uma das surpresas positivas da temporada foi a Fiorentina, que fechou a sua campanha na sétima posição e jogará a Conference League. Ao ter vencido a Juventus na rodada final, a Viola superou a concorrência da Atalanta para ficar com a vaga e recompensar as oscilações durante as 38 rodadas.

A equipe da cidade de Florença voltará aos torneios continentais depois de cinco temporadas e terá a possibilidade de criar uma nova história dentro da Fiorentina.

A zona neutra do campeonato

A desarmoniosa temporada da Atalanta foi impactante, tanto que a Dea não disputará nenhum torneio continental pela primeira vez desde que Gian Piero Gasperini assumiu o comando do clube, em 2016.

Após cinco ligas consecutivas mostrando um futebol atrativo e sendo colocado como um dos favoritos ao título, o plantel bergamasco apresentou falhas e pagou muito caro pela irregularidade ao longo da competição.

Algumas mudanças estão previstas para acontecer em Bergamo, tanto que o diretor Giovanni Sartori está bem perto de se mudar para Bolonha, na região da Emilia-Romagna. Nem mesmo o próprio Gasperini tem certeza se vai ou não dar continuidade ao seu trabalho na Atalanta.

Se o oitavo lugar foi horrível para a Dea, a nona colocação foi um resultado muito celebrado em Verona, já que o Hellas foi capaz de repetir a mesma posição conquistada na temporada 2019/20, mas demonstrado um futebol de maior qualidade sob a supervisão de Igor Tudor.

Na era dos três pontos, a única vez que o Verona conseguiu superar a quantidade de 53 pontos faturados em uma mesma edição da Serie A foi em 2013/14, quando conquistou 54. Além disso, o time gialloblù anotou teve o seu maior número de gols na história do torneio, com 65 tentos.

Assim como a Atalanta, o Sassuolo foi outro time que fez uma temporada abaixo do esperado e ficou em uma modesta 11ª posição. Após um campeonato não muito regular, os neroverdi concluíram o torneio de fora dos 10 melhores pela primeira vez desde a edição de 2018/19.

Mostrando um futebol bastante agressivo, o Sassuolo concluiu a competição com o sétimo melhor ataque, com 64 gols marcados, mas sofreu defensivamente ao levar 66, a sexta equipe que mais vezes foi vazada. A missão de Alessio Dionisi é encontrar um maior equilíbrio nestes dois setores.

Precisamos também lembrar de Torino (10º), Udinese (12) e Bologna (13), que fizeram uma Serie A segura e permaneceram no meio da classificação sem maiores dificuldades. Uma situação diferente de Empoli (14º), Sampdoria (15º), Spezia (16º) e, principalmente, Salernitana (17º).

Após a chegada do técnico Davide Nicola e das pontuais contratações no último mercado de transferências, o time de Salerno teve maiores condições de tentar a permanência na Serie A. O que era uma coisa quase impossível de acontecer, a Salernitana foi capaz de concretizar com muita determinação.

O clube conquistou sete resultados úteis, incluindo quatro vitórias, e iniciou o processo de fuga da parte vermelha da classificação. Na rodada final, apesar de ter sido goleada pela Udinese, a equipe granata se garantiu na elite graças ao tropeço do Cagliari contra o lanterna Venezia.

Rebaixados

Após uma campanha muito ruim, o Cagliari não foi capaz de evitar ser rebaixado pela sexta vez em sua história, sendo que a última havia sido na temporada 2014/15. Apesar dos esforços do brasileiro João Pedro, os sardos não cumpriram seu dever de casa diante do Venezia e o empate sem gols sacramentou a queda.

Dono do terceiro pior ataque, com 34 gols, o rossoblù teve uma das cinco defesas mais vazadas e as várias trocas de comando não tiveram efeito. O Cagliari, que foi campeão italiano em 1970, somou 30 pontos e ficou somente um de distância da Salernitana.

O Genoa foi outro rossoblù e campeão da Itália que foi rebaixado para a segunda divisão. Após ter flertado por vários anos consecutivos com a parte vermelha da tabela, o time da cidade de Gênova não conseguiu evitar o pior.

O eneacampeão italiano foi rebaixado pela nona vez e reencontrará a Serie B pela primeira vez desde 2006/07. Embora tenha somado alguns pontos após a chegada de Alexander Blessin, o Genoa teve o pior ataque da Serie A, com somente 33 gols marcados, e não foi o suficiente para impedir a queda.

Por fim, o Venezia foi o lanterna da competição ao ter somando 27 pontos e caiu da principal divisão do futebol do país pela sétima vez na história, sendo a última ocasião em 2001/02.

Um dos poucos pontos positivos do clube ao longo da temporada foi Thomas Henry, autor de nove gols e que por muito pouco não quebrou as marcas de 10 tentos de Álvaro Recoba em 1998/1999 e de Giovanni Alberti em 1939/40.

SHARE