Itália x Suíça: Pênalti perdido no fim deixa vaga para Copa em aberto

Drama, drama e mais drama. No Estádio Olímpico de Roma, Itália e Suíça empataram por 1 a 1 e, portanto, a vaga direta para a Copa do Mundo de 2022 segue indefinida. Uma das duas seleções estará garantida no Catar já na segunda-feira (15). A outra terá de jogar a dura repescagem. No entanto, o resultado desta sexta é mais amargo para a Azzurra, que teve um pênalti no finzinho, desperdiçado por Jorginho. Antes, Wildmer abriu o placar para os suíços e Di Lorenzo empatou, ainda no primeiro tempo. Agora, a definião ficará para a última rodada das Eliminatórias — onde tudo pode acontecer.

Suíça melhor que Itália no 1º tempo

Os 45 minutos iniciais da partida reservaram um certo temor para o torcedor italiano. Lembranças de 2018? Em algum momento, de fato, era possível relacionar a atuação ruim da Azzurra com a eliminação traumática para a Suécia nas Eliminatórias da última Copa. Isso porque, logo aos 11 minutos, a Suíça saiu na frente. Foi um golaço de Silvan Widmer, o lateral da equipe visitante, que acertou um foguete de perna direita após passe do atacante Okafor. Donnarumma até tocou na bola, mas foi um chute muito forte.

Naquele momento, a Suíça era amplamente melhor na partida. Dominando as ações, tirando o espaço da Itália e contado com uma atuação pobre da rival. De forma até inédita, os italianos entraram desligados no jogo. Justo num duelo tão importante? No entanto, um gol na reta final da primeira etapa aliviou a pressão para a Azzurra, que começava a se enervar em campo. Não foi necessariamente através de uma jogada bem armada, mas bastou. Em jogada ensaiada, Insigne alçou bola na área, e Di Lorenzo antecipou o goleiro Sommer para marcar de cabeça. Uma pequena falha do arqueiro, que já a havia aparecido anteriormente com boa intervenção em arremate de Chiesa.

No fim das contas, resultado ótimo para a Itália ir ao intervalo. Diante da dificuldade em um duelo decisivo, a equipe de Roberto Mancini nunca deixou de correr atrás — por mais que não estivesse em dia de brilho técnico. A insistência foi recompensada e, dessa forma, a atual campeã da Eurocopa pôde se tranquilizar no gramado do Estádio Olímpico de Roma.

Itália perde oportunidade de ouro no final

No segundo tempo, Mancini esperava que sua seleção se assemelhasse mais com aquela que triunfou no Euro. Contudo, o dia não era de inspiração, e o treinador logo mexeu na equipe. Colocou Berardi e Tonali para tentar melhorar o diálogo entre meio-campo e ataque, muito débil nesta sexta-feira. O panorama, porém, melhorou pouco. A Itália seguiu passiva em alguns momentos, deixando a Suíça tocar sem fazer aquela famosa marcação pressão.

No ataque, Insigne assustou com um chute de fora da área. A bola desviou no meio do caminho, mas, para sorte dos suíços, bateu nas pernas do goleiro Sommer, já caído. Foi o último lance de destaque do camisa 10 da Azzurra antes de dar lugar a Raspadori. Mancini ainda mandou Davide Calabria a campo, aos 35 minutos da segunda etapa. Foi então que, já na beira dos acréscimos, a chance tão desejada apareceu.

E foi através de uma boa longa — jogada extremamente errática da Itália ao longo do duelo. Belotti recebeu na frente, deixou o corpo e foi derrubado por Ulisses Garcia. Pênalti confirmado após checagem no VAR. Na cobrança, o ítalo-brasileiro Jorginho, que, até pouco tempo atrás, se destacava na eficiência em cobranças de penalidade.

Dessa vez, porém, o camisa 8 isolou. À la Roberto Baggio na Copa de 1994. Com o sonho jogado por cima da trave, a Itália viu a partida com a Suíça terminar em 1 a 1. Nada está ganho, tampouco perdido no grupo C das Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo. Faltando apenas uma rodada, as duas seleções ainda nutrem chances de conquistar a vaga direta para o Mundial no Catar.

Situação do grupo C

Com o empate, a Itália se manteve líder da chave devido ao critério de SALDO DE GOLS. A Azzurra tem dois gols a mais de saldo e enfrenta a Irlanda do Norte, fora de casa. Já a Suíça, ao contrário da Itália, atua em casa, contra a Bulgária. Ambos os adversários tem oito pontos na competição e, portanto, são semelhantes em termos de ‘dificuldade’. A princípio, não é de se imaginar uma goleada em nenhum dos jogos.

Como Itália e Suíça tem 15 pontos cada, quem somar mais pontos neste duelo final estará classificada diretamente para a Copa. Em caso de dois empates, a Itália fisga a vaga. Contudo, se ambas vencerem, ficaremos dependentes do saldo de gols para saber quem é a primeira colocada no grupo C. A Suíça, dessa forma, precisa entrar no jogo já pensando em marcar, ao menos, dois gols a mais que a Itália. Se vencer por 4 a 0, por exemplo, e a Azzurra por 2 a 0, teremos um empate completo! Tudo igual em pontos, saldo de gols e gols marcados. Nesse caso, a Suíça fica em primeiro no critério de CONFRONTO DIRETO. Embora ambas tenham empatado duas vezes (0 a 0 e 1 a 1), os suíços conseguiram um gol fora de casa contra a Itália. Sendo assim, garantiriam a vaga para o Catar.

Ou seja, muitas emoções são aguardadas para a próxima segunda (15), data dos jogos derradeiros neste grupo. A Itália precisa melhorar bastante. Mas, o mais importante é não se abalar psicologicamente em virtude do passado. O primeiro passo é vencer. A partir daí, o time pode pensar em aumentar o saldo de gols. De qualquer forma, não será tranquilo. Novamente, o drama acompanhará a Squadra Azzurra em uma Eliminatória de Copa.

SHARE