Brasil sonha com o ouro olímpico no futebol masculino

Na semifinal das Olimpíadas de Tóquio 2020, o Brasil triunfou sobre o México. A Seleção optou por uma nova tática baseada em passes curtos e precisos, limitando os cruzamentos e trazendo a bola para a área graças às verticalizações. Ao longo do torneio, os cruzamentos nunca deram grandes resultados. Porém, mesmo assim, a equipe de André Jardine teve muito trabalho, não conseguindo romper a barreira defensiva do México.

O adversário deixou o jogo nas mãos da Seleção, quase surpreendendo pelo pragmatismo. No final do primeiro tempo, as chances mais claras dos mexicanos, quando Romo e Antuna não conseguiram ultrapassar o goleiro Santos. Teria sido uma grande decepção, dada a quantidade de lances ofensivos dos brasileiros, que porém deixaram a desejar em termos de precisão.

Antony e Douglas Luiz, os melhores da partida, tentaram levar a bola para Richarlison e Claudinho, sem sucesso devido a constantes impedimentos, passes e dribles errados. As faltas cometidas pelos mexicanos suprimiram o jogo mais rápido e técnico, muitas vezes levando os brasileiros a errar. Até quando quase ganhou um pênalti, avançando magnificamente para a pequena área, Douglas Luiz inicialmente errou, perdendo a posse de bola.

Obviamente, ele recuperou imediatamente sem problemas, reprimindo um contra-ataque e reiniciando o ataque ao gol de Ochoa. A troca de passes com Antony e a queda dentro da área levaram o árbitro Kabakov a apitar um pênalti, que foi anulado logo depois graças ao VAR. Observando o lance com atenção, podemos ver como Douglas Luiz vai em busca do contato, caindo quase sozinho no gramado.

Se a penalidade tivesse sido confirmada, Richarlison provavelmente não teria falhado dos onze metros. Infelizmente, o atacante do Brasil não conseguiu marcar de forma alguma, apesar de ter chegado muito perto em várias ocasiões. No único cruzamento bem sucedido da direita dos pés de Dani Alves, o Pombo pulou com um timing perfeito, cabeceando muito bem, mas a trave salvou Ochoa e o resultado de 0x0, levando tudo primeiro para a prorrogação e depois para os pênaltis.

Nos pênaltis, o Brasil manteve a calma, tendo 100% de acerto no chute, com 4 gols de 4. Já o México sentiu a pressão, sendo parado uma vez por Santos, outra pela trave e enfim por Reinier, autor do 4-1. O ex-Flamengo classificou a Seleção Olímpica para a final de sábado (7), onde enfrentará Japão ou Espanha.

SHARE