Inter no Fundo do Poço

Antes mesmo de atingir o meio da temporada no futebol brasileiro, o Inter, tendo tão somente o Campeonato Brasileiro pela frente, já projeta o ano seguinte. Depois de mais um fracasso dentro de campo, dessa vez com a eliminação na Libertadores, o time do técnico Diego Aguirre parece ter atingido o ponto mais baixo ao longo dessa temporada.

Jogando em casa e precisando de uma vitória simples diante do modesto time do Olímpia, do Paraguai, o Inter não saiu do zero a zero e foi derrotado nos pênaltis, sendo assim eliminado nas Oitavas de Final da competição sul-americana. O impacto não é só esportivo, mas também financeiro, visto que em função da eliminação o clube deixa de arrecadar milhões de reais por não avançar no torneio. A exemplo do que tinha acontecido na Copa do Brasil, quando foi despachado pelo fraco Vitória, da Bahia, o Inter cai quando se esperava que ao menos a equipe avançasse mais nas duas competições.

Restando tão somente o Campeonato Brasileiro pela frente, disputa em que o Inter está mais próximo da zona do rebaixamento do que das equipes que brigam no pelotão da frente, o time de Diego Aguirre terá que fazer o que ainda não fez na atual temporada: render e convencer. Com apenas 50,45% de aproveitamento, o Inter perdeu 11 dos seus 37 jogos até agora desde que a temporada 2021 iniciou. Além disso, a dificuldade de fazer gols é gritante, pois o Inter tem média de 1,49 gols por partida, que, convenhamos, é muito baixa para quem diz ter aspirações de ser protagonista.

A direção acena com possibilidade de reforçar o grupo, mas não dá nenhuma garantia de que fará grandes investimentos. Muito antes pelo contrário, pois são os próprios dirigentes a referir constantemente de que o clube tem um situação financeira muito delicada.

O fato é que o ano de 2021 para o Inter já parece se encaminhar para um final melancólico e sem nenhum título. O time foi eliminado na Copa do Brasil, na Libertadores, perdeu o Campeonato Gaúcho para o Grêmio e não será campeão brasileiro. Já se fala em reconstrução do atual plantel de jogadores para a próxima temporada porque um dos fatores apontados pelos insucesso dentro de campo seria o fato do grupo não ser vencedor, o que é realmente incontestável.

Por mais que o fracasso tenha suas nuances e até subjetividade, não dá para negar que o Inter bateu lá embaixo, no fundo do poço. A Diretoria, que quando foi eleita trouxe consigo o discurso de ruptura e de recolocar o clube numa condição de protagonista, agora terá que fazer mágica para tirar o time da condição em que se encontra.

SHARE