Manchester City e Chelsea decidem a Champions League em duelo de defesas sólidas

A final da UEFA Champions League 2020/21 está definida. Manchester City e Chelsea disputarão no próximo dia 29 de maio, o título de maior expressão do futebol europeu. A saber, são duas equipes com grandes nomes, com elencos recheados, e de muita qualidade no setor ofensivo. Entretanto, muito das campanhas que levaram Blues e Citzens para Istambul passam pelo equilíbrio defensivo. Os ingleses arrumaram a defesa nessa temporada, e isso foi fundamental para chegar ao atual patamar.

Destaques defensivos de Manchester City e Chelsea

Manchester City

Primeiramente, o Manchester City viu na última temporada, que precisava reforçar seu setor defensivo. O clube de Pep Guardiola sofreu muito com lesões de seus zagueiros. Dessa forma, o francês Laporte ficou grande parte do último ano sem jogar e John Stones e Nicolás Otamendi não passavam segurança. Além disso, muitas vezes, o volante Fernandinho jogava como defensor, devido a instabilidade no setor dos Citzens.

Com isso, na janela de verão antes da atual temporada, a defesa foi o setor que o City mais se reforçou. Dessa forma, Nathan Ake, holandês promissor do rebaixado Bournemouth, e Rúben Dias, talvez a grande contratação da temporada, vindo do Benfica, vieram para somar. Além disso, os Citzens decidiram pela saída de Otamendí, e John Stones teve uma grande evolução, se tornando um pilar defensivo, e voltando a ser convocado pela seleção da Inglaterra.

Números da temporada defensiva do Manchester City

Antes de mais nada, na atual temporada da Premier League, o Manchester City sofreu apenas 24 gols em 34 jogos, tendo a média de 0.7 gol sofrido por jogo. Em comparação a 2019/20, os Citzens sofreram 10 gols a menos, com 34 rodadas, com média de 1 gol sofrido por partida. Dessa forma, a defesa é a melhor do campeonato, com 7 tentos a menos que a segunda menos vazada, que é justamente a do Chelsea.

Na UEFA Champions League, o desempenho defensivo não muda. O Manchester City também foi a equipe que menos sofreu tentos na competição europeia, ao lado dos Blues. Ambos sofrem apenas 4 gols. Por outro lado, na fase de grupos, os Citzens foram vazados apenas 1 vez.

Para se ter uma ideia, na atual temporada da UEFA Champions League, o Manchester City sofreu a metade dos gols cedidos no ano anterior, que foram 9 tentos. Além disso, em toda a competição, os Citzens tomaram o número de gols sofridos na fase de grupos da última Liga dos Campeões. Enfim, na eliminação nas quartas de final da última temporada para o Lyon, em 1 jogo, o clube sofreu 75% dos gols que sofreu nessa edição da Liga dos Campeões.

Destaques individuais: Ederson e Rúben Dias

Além disso, estes números se potencializam nas individualidades. O Manchester City tem 8 clean sheets na Champions League, e 18 na Premier League. Ao lado do Chelsea nas duas competições, são as equipes que passaram mais partidas sem sofrerem gols nesses torneios.  O goleiro Ederson tem a segunda menor média de gols sofridos na Liga dos Campeões, com 0.4 cedidos por jogo.

E por fim, muito dessa consistência defensiva vem de Rúben Dias. O zagueiro português chegou nessa temporada, mas parece estar há muito tempo no clube inglês. Dessa forma, em 39 partidas em 2020/21 somando Premier League e Champions League, com Dias em campo, em 19 delas, o Manchester City não sofreu gols, mostrando o impacto do camisa 3 no sistema. O defensor chama atenção pelo seu ótimo jogo aéreo e também pelo seu posicionamento. Isso foi visto de maneira clara no jogo contra o PSG, pela volta das semifinais da UEFA Champions League.

Chelsea

O Chelsea havia muitos problemas defensivos vindos de temporadas anteriores. Jogadores como Christensen e Rudiger, por exemplo, eram muito criticados pela torcida. Além disso, os laterais não passavam confiança, e não eram unanimidade com Frank Lampard. Dessa forma, os Blues foram ao mercado e trouxeram nomes como Chilwell, do Leicester, e principalmente, Thiago Silva, que não renovou seu contrato com o PSG.

Mas talvez, o principal problema e correção tenha sido na posição de goleiro. O espanhol Kepa Arrizabalaga não era o favorito da torcida há algum tempo, por algumas falhas. Dessa forma, o clube foi ao Rennes e trouxe  Edouard Mendy, que rapidamente virou o titular na meta da equipe londrina na atual temporada.

Entretanto, o início de temporada do Chelsea não foi como a equipe esperava, e na 19ª rodada, o clube decidiu demitir Frank Lampard. Maior ídolo da história dos Blues, o técnico não resistiu aos maus resultados, e deixou o time na 9ª posição da Premier League e com apenas a 7ª defesa menos vazada do campeonato, com 23 gols sofridos, mas classificado para o mata-mata da UEFA Champions League.

Chegada de Tuchel, mudanças no esquema e reação

Com a chegada de Tomas Tuchel no clube londrino, a equipe teve uma grande reação. O alemão trocou a linha de 4 na defesa para uma escalação com 3 zagueiros: Christensen, Thiago Silva e Rudiger. Azpilicueta e Chiwell passaram a jogar de alas, e Kante dá uma grande proteção ao sistema como volante. Assim, com o comando do treinador ex-PSG, o Chelsea sofreu apenas 11 gols, sendo 9 na Premier League, e 2 na Champions League.

A reação de alguns jogadores como Rudiger e Christensen foi notória com o comando de Tuchel, e o sistema defensivo do Chelsea se tornou um dos mais difíceis de se enfrentar na Europa. Além disso, a evolução de Mendy no gol dos Blues foi decisiva. Em toda a temporada, o senegalês não sofreu gols em 24 partidas, sendo 16 pela Premier League, e 8 pela Champions League. Na Premier League, o arqueiro é o segundo no quesito, atrás justamente de Ederson, do Manchester City. Já na Champions League, Mendy lidera a estatística, com 1 partida a mais que o brasileiro.

A liderança e experiência de Thiago Silva também é vista nos números. Com o brasileiro em campo, o Chelsea não sofreu gols em 12 partidas. A capacidade de vencer duelos individuais contra os atacantes surpreende também. Nesse quesito, o camisa 6 tem 71% de aproveitamento na Champions League, e 61% na Premier League, mostrando sua habilidade no setor defensivo, reação, e posicionamento contra os atacantes.

Números defensivos do Chelsea

Atualmente, o Chelsea tem a segunda melhor defesa da Premier League, sofrendo 31 gols em 34 jogos, com média de 0.9 gol cedido por jogo. Além disso, ao lado do Manchester City, são as duas equipes que tem o maior número de clean sheets no campeonato, com 18 partidas sem ser vazados. Na Champions League, os Blues também dividem a melhor defesa com os Citzens, com apenas 4 tentos contra, durante toda a competição.

Manchester City e Chelsea decidem a UEFA Champions League no próximo dia 29 de maio, na Turquia. O Estádio Olímpico Atatürk, em Istambul, receberá a final dessa edição da Liga dos Campeões. O Chelsea volta a decisão após a conquista do seu primeiro título, há 9 anos, e é a segunda vez consecutiva que Thomas Tuchel chega a final. Por outro lado, Pep Guardiola tenta levar os Citzens a sua primeira conquista do torneio, na primeira participação da equipe na decisão. O espanhol volta a competir a decidir a Champions League após 10 anos.

Manchester City e Chelsea será a terceira decisão entre clubes ingleses na história da UEFA Champions League. Em 2008, o Chelsea foi derrotado pelo Manchester United nos pênaltis, em Moscou. Enfim, na última vez, em 2019, o Liverpool derrotou o Tottenham em Madrid, pelo placar de 2 x 0.

SHARE