Itália desfalcada visita Bulgária nas Eliminatórias

Não há tempo para relaxar! Após superar a Irlanda do Norte por 2 a 0 na estreia, a Itália visita a Bulgária em busca da segunda vitória nas Eliminatórias para a Copa de 2022. E para o jogo deste domingo (28), o comandante da seleção, Roberto Mancini, precisará lidar com alguns desfalques de última hora.

Ficha Técnica

Bulgária x Itália

Eliminatórias Europeias: 2ª rodada (Grupo C)

Estádio: Nacional Vasil Levski, em Sófia

Dia: 28 de março de 2021

Horário: 15h45 (de Brasília)

Transmissão no Brasil: Canal Space, Estádio TNT Sports e YouTube da TNT Sports

Três novos desfalques

Para o encontro diante da Bulgária, Roberto Mancini não poderá contar com dois jogadores titulares na vitória contra a Irlanda do Norte. O primeiro deles é o capitão Giorgio Chiellini. A informação é de que o zagueiro veterano foi afastado por precaução, devido à sequência intensa da temporada e seu histórico de lesões. Ele já retornou a Turim e será melhor avaliado pela equipe médica da Juventus.

Entre os convocados, Mancini ainda tem Acerbi, Ferrari, Mancini, Bastoni e Rafael Tolói como opções para a zaga, além de Bonucci, que atuou com Chiellini na estreia da Itália nas Eliminatórias. Além do zagueiro da Juventus, Domenico Berardi também não estará à disposição do comandante da Azzurra. O jogador do Sassuolo marcou o primeiro gol da vitória contra a Irlanda do Norte, mas sentiu uma lesão durante os 90 minutos.

Berardi já retornou ao Sassuolo, onde terá o problema avaliado. Assim como Francesco Caputo. O atacante não entrou em campo na estreia da Itália, mas acabou contraindo um pequeno problema muscular durante a estadia com a seleção na última semana. Por conta disso, ele também não estará presente nos próximos compromissos da equipe. Lembrando que a Itália ainda enfrenta a Lituânia no dia 31.

Para suprir a ausência da dupla do Sassuolo, Mancini conta com Bernardeschi, Chiesa, El Shaarawy e Insigne, como opções pelas pontas, além dos dois centroavantes: Immobile e Belotti. Este último, inclusive, nem foi relacionado contra a Irlanda do Norte, por conta do limite de atletas permitido no banco de reservas. Agora, contra a Bulgária, o goleador do Torino provavelmente receberá uma chance.

E esta é a vantagem de ter uma lista grande de jogadores. Dos 38 nomes chamados por Mancini, ainda restam 34 (Moise Kean foi cortado antes mesmo da estreia). Um número satisfatório para os dois próximos duelos. Sem dúvidas, Chiellini faz falta pela experiência. Já Berardi marcou nos últimos três jogos pela seleção e vinha numa fase crescente pela Azzura.

No entanto, diante das condições atuais de calendário e sequência apertada de jogos, já era esperado tais imprevistos. Roberto Mancini tem tudo para tirar esses desfalques de letra e armar um time diferente nas peças, porém igualmente competitivo contra a Bulgária.

https://twitter.com/chiellini/status/1375209776129445893

Restrospecto

A história joga contra a seleção italiana ao se tratar dos duelos realizados em solo búlgaro, como o deste dia 28. A Azzura jamais venceu o adversário em seu próprio país. São seis jogos, com duas vitórias do anfitrião e quatro empates. O último jogo nessas condições, inclusive, também foi realizado no dia 28 de março. Portanto, neste domingo, se completam exatos seis anos de um 2 a 2 válido pelas Eliminatórias da Eurocopa de 2016. Foi a última vez que a Itália visitou a Bulgária.

Em Elimatórias de Copa do Mundo, são quatro confrontos, com dois empates e duas vitórias da Itália. Se o torcedor da Azzurra deseja se apoiar em números, a sequência em andamento favorece a equipe de Roberto Mancini. Já são 23 partidas invicta, com 18 vitórias e cinco empates. O treinador italiano também atingiu o feito de 15 jogos sem perder em casa após o triunfo contra a Irlanda do Norte.

Agora, resta manter a mesma intensidade longe do próprio território, como vem sendo feito – o time venceu oito dos últimos nove jogos fora do país. Lembrando que a Itália também não sofre gols há quatro partidas, e por isso deve apostar, mais uma vez, na solidez defensiva, apesar do desfalque de Chiellini. Já a Bulgária largou mal nas Eliminatórias. Perdeu por 3 a 1 para a Suíça e precisa reagir rápido se quiser brigar por uma vaga no Mundial. No caminho, uma tetracampeã de Copa do Mundo.

Confronto de Copa(s)

E por falar no torneio mais importante do futebol mundial, Itália e Bulgária já se enfrentaram duas vezes em Copas do Mundo. Em 1986, no México, o jogo válido pela fase de grupos terminou empatado em 1 a 1. Já oito anos depois, o duelo reserva boas memórias para o povo italiano. Foi na semifinal da Copa de 1994, nos Estados Unidos. Com dois gols de Roberto Baggio, a Azzurra ganhou por 2 a 1 e desbancou uma das grandes surpresas daquele torneio.

A Bulgária já haviam batido a Argentina na fase de grupos, além de deixar a atual campeã Alemanha pelo caminho, nas quartas de final. No duelo da semi, Stoichkov marcou o gol de honra dos búlgaros, que ainda perderiam a disputa do terceiro lugar para a Suécia. Ainda assim, as duas derrotas finais não ofuscaram em nada a melhor campanha do país em uma Copa do Mundo.

Já a Itália, como praticamente todo mundo deve saber, perdeu a final do Mundial para o Brasil, nos pênaltis. Baggio, o grande craque daquela seleção, foi o responsável por desperdiçar a cobrança derradeira. Melhor não entrar em mais detalhes sobre esse dia trágico para os italianos…

Atenção nunca é demais!

A Itália precisa entrar em campo com bastante energia nesta segunda rodada de Eliminatórias. O time estará modificado. Tanto pelos desfalques, quanto por uma rotatividade promovida por Mancini. Ainda assim, a equipe não deve mudar seu desenho em campo (4-4-3), nem a estratégia de jogo: bastante disciplina nos três setores do campo, marcação em bloco, paciência e aceleração de jogadas na hora certa. Falei mais sobre as virtudes da Itália nesse texto, escrito após a vitória por 2 a 0 contra a Irlanda do Norte.

Creio que a receita de sucesso deve ser mantida. A Bulgária, talvez, seja o time mais chato dessa sequência inicial da Itália nas Eliminatórias. Claro que a estreia tem um peso diferente, mas este duelo fora de casa vai ser importante para entendermos em que patamar estão os comandados de Mancini (fisicamente e psicologicamente).

Uma vitória diante da Bulgária tranquiliza demais a vida da Itália na competição. O time não deve prestar muita atenção na Suíça, ao menos por agora. Perseguir a equipe dos Alpes precisa se tornar prioridade somente após o primeiro confronto direto. Por enquanto, cabe a Azzurra fazer sua parte, já que a Suíça provavelmente vencerá a Lituânia, em jogo que acontece no mesmo horário de Bulgária x Itália.

Somar mais três pontos é a missão. Seja com um amplo saldo de gols ou não. Se voltar de Sófia com o triunfo, Mancini e os jogadores estarão dando um recado claro: a Itália RENASCEU, e não quer desapontar de novo em Eliminatórias para a Copa do Mundo.

SHARE