Os times brasileiros na Copa Libertadores feminina

A fase de grupos da Copa Libertadores feminina terminou com dois times brasileiros levando o orgulho do Brasil e do futebol brasileiro feminino para às quartas. O torneio, disputado na Argentina, vai entrar no momento mais decisivo e tenso, depois das primeiras três rodadas do primeiro turno. O Corinthians, o atual campeão da Libertadores, e a Ferroviária avançaram no caminho, enquanto Avaí/Kindermann, vice do Brasileirão 2020, mesmo como boas atuações, foi eliminado. Agora quais clubes o Timão e a Locomotiva vão enfrentar na fase mata-mata? Como foi a fase de grupos? Quais jogadoras se destacaram?

RESPEITA AS CAMPEÃS

Não é de hoje que sabemos que o Corinthians no feminino seja uma potência sul-americana e talvez mundial. Muitas das jogadoras sao convocadas regularmente por Pia Sundhage para a Seleção, como a lateral esquerda Tamires, ou pretendem no futuro ser parte da equipe, como Gabi Nunes. O último periodo para a atacante foi prejudicado por muitas lesões, mas mesmo assim voltou aos gramados para ajudar as companheiras a ganhar o campeonato brasileiro e paulista. Assim ela alcançou 14 gols em apenas 20 encontros na competição nacional.

Nas primeiras partidas em nível continental Gabi Nunes não decepcionou, metendo na rede a bola cinco vezes. No primeiro jogo diante de El Nacional, equipe ecuatoriana, foi protagonista no placar de 16×0 com três gols, mesmo entrando na reta final. A goleira Melanie Gutierrez não pôde evitar o gol, depois que a Gabigol tinha batido perfeitamente uma falta, mandando a bola no canto esquerdo.

Com tantos gols não foi a única protagonista daquele encontro, porque também Grazi fez a parte dela com outro hat-trick. Contra Universitario marcou mais três, se tornando uma das seis melhores artilheiras da Copa Libertadores, com 17 gols. A Rainha do Paulistão, com quase 40 anos ainda em atividade, chegou a 36 gols com a camisa do Corinthians. Assim com 27 gols feitos e nenhum sofridos o Timão se classificou com 9 pontos às quartas, onde vai enfrentar o time chileno Santiago Morning.

ACONTECEU UMA COISA LINDA LÁ EM EL FORTÍN

As chances de classificação da Ferroviária antes do jogo contra a Universidad de Chile, na terceira rodada, eram relamente poucas. O caminho da equipe da treinadora Lindsay não foi tão bom como esperado, com uma derrota contra Libertad/Limpeño (4×0) e um empate contra Peñarol (0x0). O grupo D foi o mais disputado e equilibrado entre todos e por isso a Locomotiva de Araraquara, equipe em reestruturação, teve muitas dificuldades. Ainda bem a tecnica Lindsay soube reorganizar a escalação, limitando os erros defensivos e aproveitando do repertório ofensivo muito bom no estádio do Vélez, El Fortín.

Jogando mais à frente as Guerreiras Grenás conseguiram dominar o jogo contra La U, ganhando 4×1. As chilenas pouparam o time titular, deixando em campo as reservas e as jovens, mas a vontade de ganhar da Ferroviária foi determinante para avançar ao próximo turno. As brasileiras estavam ganhando 3×1, enquanto o Libertad/Limpeño estava se classificando para a fase mata-mata, sendo que tinha um saldo melhor. Nos últimos minutos, na ocasião de um escanteio, Rafa Mineira marcou o quarto gol e deu a classificação às companheiras dela, com um chute genial. A Ferroviária alcançou o mesmo saldo das rivais e conseguiu ir para as quartas por ter marcado um gol a mais, cinco. Agora vai ter outro encontro difícil diante do River Plate.

KINDERMANN ELIMINADO DE CABEÇA ERGUIDA

O Kindermann foi com certeza a maior surpresa do ano passado no campeonato brasileiro e é uma das bases melhores para novas jogadoras talentosas surgirem no profissional. Mesmo sem muitas peças importantes da última temporada, como Júlia Bianchi que foi para o Palmeiras, Jorge Barcellos conseguiu manter quase o mesmo nível. A estreia foi muito boa, com a goleada (8×0) diante do Deportivo Trópico, mas a falta de um meia armador prejudicou o time.

O empate com Santiago Morning e a derrota, não merecida, nos minutos finais contra Boca Juniors foram as consequências da falta de uma jogadora que organizasse o time. O plantel das leoas é cheio de atletas agressivas e fisicamente fortes, mas poucas delas têm pés tecnicos. Gaby Soares, novo reforço, não conseguiu até aqui fazer o que Júlia Bianchi fazia no gramado. Mesmo com uma boa atuação no torneio, feita de raça e vontande de ganhar, a equipe caçadorense acabou sendo eliminada, mas de cabeça erguida. Porém o ano que vem é preciso operar muito no mercado para chegar longe, caso a equipe se classifique de novo na Libertadores 2021.

SHARE