Um gigante sem nome: a guerra do Steaua pela existência

Definitivamente, a Romênia não é um dos grandes centros futebolísticos do planeta. Com certeza você não tem um ídolo romeno inesquecível, talvez Gheorghe Hagi, na Copa de 94, ou seu filho, que hoje brilha no Rangers. Mas existe um clube romeno que sim, já esteve entre os maiores da Europa, mas que hoje perdeu o direito até de usar seu próprio nome, e teve todas as suas conquistas ameaçadas, e o nome não deve soar estranho: Estamos falando do tradicional e antigo Steaua Bucuresti, que hoje se chama FCSB.

De longe o maior e mais tradicional clube da Romênia, o Steaua foi fundado pelo exército do país em 1947 e desde os primórdios sempre contou com um grande aporte financeiro e consequentemente, os melhores jogadores do país, uma verdadeira potência. Em 1986, seu maior feito: o título europeu, em cima do poderoso Barcelona. Com um título europeu e várias conquistas nacionais no currículo, o Steaua tinha tudo para se consolidar como um time estável nas mais cobiçadas prateleiras do continente, mas, tudo mudou com a dissolução da República Socialista da Romênia, em 1989 e com a chegada de figuras controversas no clube.

O ano era 1998, e o exército decidiu que não conseguiria mais manter o clube de forma soberana como foram em seus anos de glória, e por isso optou por vender o clube para empresários. Detentor do nome, marca, escudo e tudo que possa ser comercialmente vinculado ao Steaua, o exército autorizou o uso sem maiores problemas até 2004, ano em que desembarcava nos Stelistii o polêmico George Becali.

George Becali é de família de pastores e dono de uma das maiores fortunas da Romênia, também é dono de uma personalidade ímpar e sempre se envolveu em grandes polêmicas, uma delas, com o exército do país, onde competiu durante anos por terras. Toda essa relação fez com que em 2004 o exército reivindicasse de Becali o direito de deter o nome, uniforme, logo e tudo que possa ser usado de forma comercial do FC Steaua Bucuresti. A disputa correu alguns anos até que em 2011 se tornasse judicial, e em 2014: o primeiro baque. Após a primeira derrota nos tribunais, o Steaua entraria em campo em dezembro daquele ano contra CSMS Iasi, pela Copa da Romênia, com um esparadrapo na camisa para esconder o emblema. No placar, em vez de Steaua, estava escrito simplesmente “mandante”. A vitória veio, mas o futuro era incerto.

O Steaua Bucareste é o único dono do escudo e da história desde 1947 (quando o clube foi fundado). O FCSB é outra coisa, possivelmente um parente do Steaua. Se Becali não quiser negociar com o exército, nós teremos de protestar de todas as formas para recuperar o escudo e a história do Steaua” – Simion Popa, em entrevista ao GE em 2015

Em janeiro de 2015, o clube era oficialmente rebatizado de FCSB (Fotbal Club Steaua Bucareste), com um novo logo, mantendo apenas as cores de suas raízes. Apesar de ainda mandar seus jogos em Ghancea, tradicional estádio do Steaua, que pertence ao exército, o time agora precisa pagar altas taxas que giram ao entorno de € 40 mil, mais um prejuízo entre tantos.

Apesar de rico, o FCSB se tornou inconstante na Romênia, não vence um título desde 2014-15 e não conquistou a todos os adeptos, já que em 2017-18 era anunciada a fundação do CSA Steaua Bucareste, o nome original da equipe com seu logo e todas as marcas comerciais antigas, essa nova “velha” equipe começou da Quarta Divisão e contou com uma grande adesão dos torcedores, visto que Becali não é uma figura bem quista na Romênia.

O CSA Steaua hoje está na terceira divisão, e causou uma enorme confusão dentro do país, opiniões divididas e o futuro cada vez mais incerto pois o FCSB ainda pode ter prejuízos milionários pela utilização indevida do nome Steaua Bucareste, além de ser constante alvo de ataques da imprensa local. O atual dono sugeriu que o nome fosse trocado para FC Sports Becali, e ganhou apelidos como “Faci Ce Spune Becali” (Façam o que Becali diz).

Curiosamente, o CSA Steaua Bucareste tem como próximo adversário o FCSB II (Equipe B do time de Becali, algo comum na Europa), no próximo dia 13 às 10h de Brasília, numa intensa disputa pela liderança de seu grupo na Liga III (Terceira divisão da Romênia), onde o CSA Steaua é o líder de seu grupo com 26 pontos e o FCSB o segundo com 24. Ambos estão em disputa direta pelo acesso, já que no formato de disputa da Liga III, os dois primeiros de cada um dos 10 grupos jogam um playoff de promoção.

Já o FCSB é o atual líder da Liga I, numa ferrenha disputa com o CFR Club, onde ambos estão empatados com 57 pontos em 26 jogos, com o FCSB em vantagem pelo número de vitórias. Seu próximo adversário é o UTA Arad, fora de casa também no dia 13, às 15h de Brasília. Será que em um futuro próximo veremos o time do exército digladiando com o time de Becali na elite do Futebol Romeno? Só o tempo dirá.

SHARE